+64 21 158 7100

120B Maskell Street, St Heliers

9am to 5pm Mon to Friday

info@brazilkiwi.com

GO UP

Imigrar e desapegar é necessário

 

Desde que eu me mudei para a Nova Zelândia em 2007, venho observando o crescimento constante de famílias Brasileiras em busca de melhores oportunidades, qualidade de vida e de educação para seus filhos.

Apesar de ser uma tarefa desafiadora, cheias de incertezas até mesmo para quem vem sozinho (como eu fiz há 14 anos atrás) as famílias de uma coisa estão seguras, que arriscar no desconhecido é uma excelente opção.

Passar as férias em um país extrangeiro, não vai retratar a realidade de viver completamente no outro país. Pois em espirito de férias as coisas se tonarm mais tranquilas, já que o intuito é relaxar e a certeza de ser temporário, faz com que tudo se torne uma aventura prazerosa e crie memórias fantásticas para contar para os demais membros da família e amigos.

No entanto, quando se decide mudar com a família toda para um país extrangeiro e recomeçar a vida do “zero” o desafio é enorme pois muito planejamento, investimentos, adaptações, desapegos devem ser feitos.

Trabalhando há anos neste mercado de educação internacional, e vivendo aqui na Nova Zelândia há quase 14 anos, eu recebo questionamento mais variados possíveis a respeito da Nova Zelândia.

É muito comum, querermos fazer comparações, mas está é uma tarefa difícil, pois cada país tem suas características e culturas únicas.

Vamos tentar fazer algumas considerações, assim quem sabe eu ajudo as pessoas a tomarem suas próprias conclusões quando chegarem aqui e viverem suas experiências na própria pele.

Planejar mais que somente as rotas turisticas das cidades escolhidas para visitar. Você precisa se planejar financeiramente, emocionalmente e pisicologicamente.

  • Planejar os prazos entre o pedido de visto e o pedido de demissão do trabalho estável no Brasil… Desta forma conseguir receber um montante maior de indenização da empresa que trabalhava.
  • Se preocupar com a matricula da criança na escola por mais um semestre ou ano todo?
  • Pensar no tipo de plano de saúde do país
  • O que levar na mala? E o que não levar (muito importante isso)
  • Aprender a língua ainda no Brasil ou deixar para aprender no exterior?
  • Se qualificar non Brasil ou deixar para me qualificar lá fora?
  • Se preparar emocionalmente, pois está parte vai estar em borbulhas com tanta adrenalina e stresse. Pois apesar da sensação de estar indo em busca do tão desejado sonho de uma vida nova, estará deixando a estabilidade que você já conhecia e te dava o suporte necessário para seguir vivendo. Esta segurança a partir de ali, vai deixar de existir por algum tempo.

E a sensação de “Ai meu Deus, será que fiz a escolha certa?” ficará te perturbando por um bom tempo até que um dia o tão esperado, desejado e sofrido visto permanente seja aprovado.

 

As adaptações vão além dos hábitos alimentares, do estilo caloroso do brasileiro que abraça todo mundo (Kiwi não gosta muito de abraços rsrsr) Vai depender de você entender que, mesmo que você tenha um título de doutor no Brasil, se não

falar a língua nativa, terá que se sujeitar a “sub-emprego” para se manter no país escolhido. ***Esta classificação é dada por nós Brasilieros, pois aqui na Nova Zelândia não tem esta classificação de sub-emprego. Emprego é emprego e ponto.

 

 

 

Desapego significa mais do que fazer uma limpeza no armário de roupas, doar ou jogar fora aquelas coisas que não usa mais. Siginifica, deixar a casa, o carro, a escola e todo o conforto e rotina que você conhece no Brasil.

Os amigos queridos da vida toda, os familiares que estão sempre ali para dar a mão no momento de desespero.

De ser conhecido na padaria do seu bairro, ou no restaurante perto do trabalho.  No buteco que tomava umas cervejas depois do trabalho. Tudo isso será diferente do outro lado do mundo.

Não digo que será ruim, muito pelo contrário, é muito bom aqui do outro lado.

Mas é bom se preparar para estas mudancas e vir de cabeça e peito aberto para elas, pois não tem jeito, elas vão acontecer pra você assim como aconteceu pra mim e para muitos outros que vieram. Cada um com o seu grau de dificuldade e maneira de encarar as etapas de adapatação.

Quando você decide que vem com o parceiro ou com a família toda, para quem já tem filhos, a decisão deve ser feita em conjunto, mantendo a comunicação sempre muito bem alinhada. Pois apesar de serem uma família, vocês ainda são pessoas com desejos, sonhos, opniões, expectativas, medos e inseguranças individuais.

Hoje eu quero falar sobre a expectativa do casal. Pois no decorrer dos anos vividos aqui na Nova Zelândia e trabalhando com na área de Educação e imigrantes, eu já vivenciei muita coisa.

Casais jovens, casais que já estavam juntos a muito tempo, famílias que chegaram prontas e outras que foram construídas aqui. E também já vi muitas relações se desfazerem.

Muito se fala sobre o que mencionei acima, sobre planejamento financeiro, de tempo, emocional etc etc

Mas neste quesito emocional já pensaram o quanto mais está envolvido? Envolve a vida do casal que muitas vezes fica de pernas por ar.

É muito comum, pelo fato de serem indivíduos diferentes, terem a visão diferente do novo encontrado pela frente.

Já vi muitos casos onde a mulher se apaixona pelo país e o marido não quer nem saber de Nova Zelândia, e a única coisa que ele quer fazer é ir embora e jogar pelada com a turma no domingo. Já vi outros casos em que foi ao contrário, o marido ama a Nova Zelândia e a esposa quer ir embora pois não gosta do clima mais frio daqui.

E ai o que fazer? E foi justamente vendo estes fatos acontecerem que eu resolvi escrever sobre o asunto.

Pois eu já vi casos de casamentos se desfazerem, um voltar ao Brasil e o outro ficar, já vi casos de cada um ir para seu lado mas ficarem aqui na Nova Zelândia…  Já vi casos de eles irem embora juntos e irem para outro país e lá se separarem…

E claro e evidente, já vi casos onde eles se casaram aqui e estão felizes contruíndo a vida de sonhos e com a com a relação ainda mais forte que antes.

Já vi famílias se formarem aqui, com filhos nascendo desta relação de amor e entrega e principalmente companheirismo e escolha diária.

Quando eu falo que a comunicação é muito importante eu não estou falando por falar não.  A comunicação entre o casal, deve se manter constante, cada um falando sobre as suas expectativas, angustias e desejos. Pois, para que este barco permaneça navegando pelos mares da oceania é preciso que os dois remem na mesma direção. Se as opniões forem totalmente contrárias o barco vai afundar.

Lembre-se o projeto é dos dois ou da família toda quando se tem filhos. Portanto é importante começar o desapego bem ali, quando iniciar o projeto e não se prender a questão quem tem mais dinheiro na relação ou quem tem melhor Inglês.

No Brasil não se tem a cultura de contas conjuntas no banco, cada um faz o seu trabalho e a renda vai para contas individuais. Cada um cuida de uma conta da casa ou divide as despesas iguais e assim segue a vida.

Neste projeto, este tipo de coisa deve ser mudado e as contas igualada.

Avalia comigo no seguinte cenário:

O marido é quem tem o dinheiro, é formado mas não fala Inglês, ele portanto não poderá fazer o mestrado (que ajudaria a família toda a vir com vistos adequados) de imediato. Teria que estudar um tempo considerável e as regras de imigração poderiam mudar e todo o projeto ir por água a baixo.

Sua esposa por sua vez, não tem o dinheiro mas é graduada e fala Inglês fluente… Não poderia fazer o mestrado de imediato porque não tem dinheiro.

O que fazer neste caso? Obvio né gente, o marido pagaria o curso e a esposa viria como estudante e o marido se beneficiaria com o visto de partner com permissão de trabalho integral. Ou Vice versa… who cares?!

Este é só um exemplo do que eu quero falar sobre a doação e do projeto unificado. Fazer as coisas juntos fica mais fácil, problema dividido é metade do problema.

É muito comum as pessoas que largaram seus empregos e carreiras de sucesso no Brasil, se sentirem frustrados depois de algum tempo aqui, porque estão fazendo sub-emprego ou porque ainda não dominam a língua.

Este fato está muito coligado. Pois em viver no exterior se faz primordial aprender a língua local, aqui na Nova Zelândia o Inglês. Só assim você poderá voltar a atuar na sua área de formação.

Ainda assim, tem o fator “agressividade”, eu gosto muito de usar este jargão, e quem já falou comigo sabe disso, sabe do meu jetito mineiro de falar: Você precisa ser agressivo no mercado de trabalho, empregos não vão cair a sua cabeça quando você chegar aqui.

O que quero dizer com isso é que conseguir trabalho em qualquer parte do mundo é dificil, mas no exterior você tem a desvantagem de não dominar a língua.

Mas ao mesmo tempo você tem bagagem profissional internacional para apresentar.  Tem a vantagem de um background diferente, de trazer a sua formação acadêmica internacional e a experiência dos empregos anteriores.

Nós brasileiros investimos muito em educação, falo com pessoas diáriamente que possuem 2, 3 ou até mais títulos acadêmicos no Brasil e muitos anos de experiência. Então o que fazer? Use isso a seu favor. Faça seu currículo no formato da Nova Zelândia e não tenha vergonha e nem medo de ganhar um não nas primeiras aplicações. Só assim você será visto e então terá a oportunidade de mostrar o que você sabe fazer.

Então dentro deste cenário de mudanças e importante que entre o casal exista o suporte mútuo para que ambos cresçam e encontrem a harmonia necessária para a caminhada nesta vida nova.

 

Outro fato que é importante, se ele /ela não fala inglês com fluência, não se prenda a seu parceiro para falar por você, não se coloque nesta situação de vítima e aproveite as oportunidades para aprender e praticar o que já sabe na língua local.

Hoje em dia com tanta tecnologia, você consegue fazer tudo que quiser, ir ao médico, fazer compras, até mesmo participar de entrevistas. SIM!!! Isso mesmo, já vi isso também de um cliente que chegou aqui e em uma semana, sem falar Inglês ainda, ele participou de entrevista usando o Google tradutor. Pergunta onde ele está hoje…. Yes… he got a job, he did it!

Dicas Brazilkiwi antes da viagem

É importante preparar as crianças para as mudança que estão para acontecer.

  • Inicie um curso de Inglês de maneira divertida. Sem pressão
  • Não retire a crianca da escola muito cedo, pois a criança pode se apegar a mãe/pai e depois a separação aqui será ainda mais dolorosa. Principlamente para criancas abaixo de 5 anos. Se você decide que vai retira -lo da escola, e passar meses com ele do seu lado o tempo todo, ele irá sentir demais quando chegar aqui e ir direto para uma escola com uma lingua diferente. O ideal é que ele continue com os amigos dele no Brasil, pois sentir falta dos amigos doe menos que sentir falta dos pais, a sensação de abandono é muito maior para eles.
  • Conte para a criança sobre aventuras que vocês vão viver juntos no outro país. Criança tem o poder de imaginação fantastico e isso faz com que ele fique entusiasmado para conhecer a casa nova.
  • Traga brinquedos e coisas pessoais mais importantes de seu filho. Isso ajuda no momento de ansiedade e o sendo de casa.
  • Pratique conversas via Skype com os avós e amigos próximos com as crianças. Isso torna a nova rotina de contato mais normal.

Casas ou apartamentos: Nova Zelândia é um país lindo, cheio de natureza em qualquer parte que você for, as pessoas vivem em casas na sua maioria e apartamentos e prédios altos somente na área central.

Os apartamentos da área central são bem pequenos, desenhados para atender a necessidade do estudante que precisa de pouco espaço, perto das escolas e universidades e com preços “mais em conta” (falaremos sobre valores depois).

Custo de vida: Nova Zelandia tem o custo de vida alto para quem está chegando e ainda fazendo conversão da moeda de seu país e com o Dólar Nezelandês.

O aluguel é responsavél pela maior despesa no orçamento total seja do estudante ou da família.

Grandes cidades como Auckland, Christchurch e Wellington, terão os alugueis mais caros, apesar que a nossa pequena Queentown é disparado a mais cara neste aspecto.

Cidades monores como Napier, Hastings, Nelson, Invercargill, oferecem valores de aluguel mais acessíveis, podendo refletir numa redução de pelo menos 30% em relação a outras cidades.

Morar em casa aqui, siginifica ter muros baixos, sem cercas elétricas ou muros que parecem mais um presídio.

Os bairros parecem condomínios fechados do Brasil. Sempre arborizados e ruas limpas com asfalto liso, as calçadas retas, decentes para quem gosta de correr.  Além de existir os calçadões na beira da praia para quem gosta de ir mais longe.

A praia mais distante ficará a apenas 128 km de distância de onde você estiver. De modo geral é possível ir andando para várias praias aqui em Auckland.

 

Acomodação para estudantes: Estudantes solteios ou casais, tem a opção de hostel, casa de família, acomodação estudantil de algumas esclas, ou ainda dividir apartamento com outras pessoas, formando as republicas, tão conhecidas no Brasil que aqui chamamos de Flatmate.

Acomodação para família: Quando vem com a família já é mais complex a logistica e não dá para ir para hostels. Hoteis serão bem caros e dependendo do tamanho da família, não irá caber em um quarto só.  Portanto, a opção de AIRBNB ou casa de família é sempre boa. Lembrando que é necessário agendar com antescedencia para a data que você irá chegar aqi na Nova Zelândia.

Seguro saúde para estudantes: É obrigatório o Seguro de saúde para estudantes iniciarem o curso, seja de inglês ou qualquer outro curso academico. A Nova Zelândia oferece seguros a precos bem competitivos, que irá atender as necessidades exigidas pelo governo neozelandes em caso de acidentes, internações e outros tratamentos. Além de cobrir voos extradição entre outros. (Regras se aplicam para cada seguradora)

Seguro saúde para a família: Além de ser obrigatório o Seguro para o etsudante, pela duração do curso aqui na NZ, A família também precis ate rum Seguro que atenda a suas necessidades.   Quando você decider seu curso, seu visto já for aprovado etc é hora de ver este detalhe tão importante. A Brazilkiwi pode te auxiliar neste detalhe.

*****O Seguro saúde deve ter a validade inteira do seu visto.

****O Seguro de estudante é mais barato que outra categorias e tem sua apoloce diferenciada

***NENHUM Seguro irá cobrir assuntos estéticos de dentista, ou quaisquer doenças pré existentes.

Mulheres por exemplo com ovário policistico, endometriose etc não terá o valor pago por consulta ou tratamento pagos, pois estes são problemas que não acontecem acidentalmente.

**O Seguro não irá cobrir a sua consulta médica e exames para a imigração na sua próxima aplicação de visto.

*Seguros não pagam anticoncepcional

******Acidentes ocorridos dentro da Nova Zelândia são subisidiados pelo governo Neozelandês (ACC) e você não paga o tratamento inicial. Mas se faz necessaário o Seguro para tratamentos posteriors como medicamentos, consultas posteriors, fisioterapia etc

Plano de saúde para quem já tem visto de trabalho, residencia ou já é cidadão:

Para quem já saiu da fase de visto de estudante e já está com o Pos study Work permit, terá direito a saúde subsidiada pelo governo. Ou sejá, se você for a algum medico (Clinico Geral), o valor da consulta será mais barato e medicamentos também serão subsidiados.

Tratamentos de doenças ocorridas aqui dentro da Nova Zelândia, cirurgias, internações etc terão cobertura de todo o tratamento sem custo para a pessoa.

Crianças terão consultas médicas em clinico geral gratuitas e avaliação de dentista gratuito também.  Lembrando, tratamento odontológico estético não tem cobertura para ninguém na Nova Zelândia.

Com este tipo de visto é possível também adquirir os “Planos de Saúde” onde tratamentos específicos, cirurgias não emergencias poderão ser cobertas. E modo geral, o sistema público de saúde atende muito bem. Nestes 14 anos aqui, eu nunca tive plano de saúde e sempre fui bem atendida.

 Empregada doméstica: Não se usa  este termo aqui e não se utliza deste serviço na sua maioria. As neozelandesas cuidam de suas casas sozinhas, e eventualmente usam o serviço de uma faxineira ou de empresas de limpeza para fazer o que se chama de Spring cleaning. Onde uma limpeza mais pesada e solicitada.

Babá: Outro serviço que aqui na Nova Zelândia é bem caro. Somente familias ricas terão babás tempo integral.  É muito comum buscarem uma baba para ocasiões especiais, ou para, antes e depois da escola.

É muito comum o uso de Nanny ou Aupair, onde a pessoa vive na casa da família, sem pagar por aluguel ou alimentação e ainda ganha um valor simbólico por semana.

Dependendo do acordo entre estas pessoas, muitas nannies exercem atividades de faxineira para ganhar um dinheiro extra da família.

Creche: Muitas mulheres trabalham tempo ntegral e precisam de alguem para cuidae de seus bebes. Algumas retornam ao mercado de trabalho 3 meses após o nascimento, outras 6 meses depois, outras 12 meses. Vai depender do tanto de suporte que a família possui. Seja suporte financeiro, familiar etc.

Para estas pessoas que retornam ao mercado de trabalho cedo, existem as creches que cuidam de bebes a partir de 3 meses.  Este serviço é extremamente caro.

Escola para crianças:  A maioria das escolas na Nova Zelândia são públicas. E oferecem educação de qualidade para nossas crinaças.

As escolas aqui utilizam uma estrategia muito interessante de Ensino, onde as criancas aprendem de forma mais livre e solta. Para os pequenos eles aprendem beuncando de forma ludica e intuitive.

Os istema de Ensino de leitura pra mim é fenomenal. Minas filhas aprenderam a ler Inglês E PORTUGUÊS numa velocidade assutadora.

Alguns país que já tinham os filhos estudando no Brasil podem sentir uma diferença e achar ter um pouco de resistencia inicial ao tipo de Ensino. Mas logo vendo os resultados, o coração fica leve outra vez.

Adolecesntes terão opcão de escolher as disiplinas que querem cursar de acordo com sua preferência e inclinação profissional futura.

Crianças a partir dos 3 anos de idade ganham subsídio do governo, de 20 horas semanais em creche ou day care. Isso e para todos, até mesmo para estudantes internacionais que vieram com seus filhos. O direito é extendido a eles também. O que passar das 20 horas você deve pagar para sua criança ficar no estabelecimento.

Ou seja crianças de 3 a 6 anos podem ficar emu ma creche por 20 horas semanais.

6 anos Claudia??? Sim, pois apesar das criancas irem para escola com 5 anos, obrigatoriamente somente a pratir dos 6. Portanto se você chegou aqui e com seu filho com 5 anos, mas o visto ainda não está adwquado apra ele ter direito a esocla normal, ele pdoerá ficar numa cheche de graça por 20 horas.  Claro que nas cheches on foco não é alfabetização, então a crianca fica um pouco “atrasada”mas é uma execelente oportunidade para adaptar a crinaca que ainda não fala Inglês. Posso explorer este assunto com vocês individualmente numa conversa ou num post individual.

Inserção na cultura Kiwi: esta é uma tarefa que vai variar bastante de nacionalidade para nacionalidade, ou melhor dizendo, de indivíduo para indivíduo.

É muito comum algumas comuninades ficarem somente entre elas por inseguranca na lingua Inglesa e medo de falar errado e com isso acabam minando as oportunidades de se comunicar com um nativo ou local.  Nativo ou local não é a mesma coisa Cláudia? NÃO? Não é. Nativo é quem nasceu aqui e local são pessoas como eu, que já vivem aqui a muitos anos e falam Inglês com fluência mas possuem sotaque etc. Mas conhecem a região muito bem.

Você precisa sair da sua zona de conforto se quer se socializar com a comunidade seja ela Kiwi ou locals.

Aquela ideia do Kiwi amigável que vai te receber com braços abertos é um pouco diferente… Esperá lá que vou contar.

O Kiwi É de forma geral super amigável e social, mas ele não vai olhar pra você na rua é dizer:  EI AMIGO, VOCÊ É BRASILEIRO? BEM VINDO A NOVA ZELANDIA, VOCÊ GOSTARIA DE SEU MEU AMIGO, QUE IR LÁ EM CASA JANTAR? NÃAAOOOOO né gente!!!, isso é coisa de mineiro, ce tá doido uai!

Você precisa dar o primeiro passo e então as coisas acontecem. Fica somente na comunidade Brasileira é muito fácil e confortável. Não tem nada de errado, mas também depois não reclama que seu inglês não melhorou e que Kiwi é frio e distante.  Os neozelandêses são fenomemais, amigáveis, cuidam, dividem tudo e são muito honestos, não é a toa que eu tenho o meu Kiwi Man em casa né 🙂

 

Adaptação das crianças: Ahhh estes pequenos mostrinhos! São mais espertos que a gente imagina. Eles se adaptam numa velocidade muito maior que esperavamos e dão um show de independência.

Eles aprendem inglês mais rápido que nós adultos, eu disse MUITOOOOO mais rápido que nós e logo estarão corrigindo a sua pronuncia e te ensinando diariamente uma meia dúzia de palavras novas. Acredite!

Compra de carro: Comprar carro a Nova Zelândia é super simples e relativamente barato. Os carros são de extrema qualidade, todos são importados e você faz a transferência na hora, online sem nenhuma burocracia. Além de poder fazer o Seguro de seu carro online também sem nenhuma vistoria ou transtorno de agendamento de vistoria etc. Aqui dirigimos na mão inglesa, ou seja, o motorista senta no lado direito do carro e dirige na pista da esquerda.

 

Minha atividade neste trabalho de Educação Internacional me realiza muito, pois lido com pessoas de todas as qualificações profissionais/academicas e personalidades. Que me ensinam, me desafiam a aprender mais, que confiam em mim, confidenciam segredos e usam meu ombro quando necessário.

Eu por outro lado sou esta típica mineira que fala cortando as palavras, sotaque arranqueiro e carregado do Sul de Minas.

Sempre disposta a ouvir quem me procura e ajudar no que for possível.

Estou aprendendo a dizer não quando for necessário. Sou justa e não prometo NUNCA o que não posso fazer.

E caso você tenha recebido um não da Cláudia, acredite este não também pode ter te ajudado.

 

Envie sua dúvida, eu estou sempre por aqui. Responderei da maniera mais transparente possível. Não vou falar o que você “quer”ouvir, mas vou tef alar o que você precisa ouvir para ter sucesso no seu projeto.

 

Email: claudiapereira@brazilkiwi.com

WhatsApp: +64211587100

Instagram: @brazilkiwi

 

Photo by:

Victoria Borodinova
Gerhard Lipold
Lukas 
Katerina Holmes 

Leave a Reply